Cipp tem 80 novas oportunidades de investimento

09 de Outubro

Na busca de atrair investidores do setor de energias renováveis para o Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp), a Aecipp, que representa as empresas já instaladas no Complexo, destacou as vantagens de operar no que hoje é o maior distrito industrial do Estado durante a All About Energy. Para tal, destacou o mapeamento realizado em 2016 que identificou 80 oportunidades de negócios no Cipp.

Segundo destacou Marcus Borges, diretor da Aecipp, durante a palestra "Oportunidades e Desafios no Cipp", há dezenas de possibilidades empresariais à espera de investidores para se tornarem realidade no Complexo. "A Associação realizou ano passado a identificação de 80 oportunidades de negócios ou serviços a serem prestados pelas empresas que compõem o Complexo abrangendo os quatro setores da economia: indústrias de base, empresas de serviço, empresas de comércio e empresas de apoio", afirmou.

Borges aponta que "as facilidades de instalação, somadas à localização geográfica do local (próximo dos mercados consumidores da Ásia, América do Norte e Europa), infraestrutura rodoviária, ferroviária e portuária, incentivos fiscais, capacitação de pessoas, segurança energética, linha de financiamento e a Zona de Processamento de Exportação (ZPE) são de suma importância na atração para novos investimentos para o Estado do Ceará".

Recursos aplicados

Borges destacou, ainda, que o equipamento portuário recebeu uma média aproximada de R$ 1 bilhão por cada empresa instalada - cerca de 30. Isto, ocasionou a geração de milhares de empregos que, inclusive, já superam o número de habitantes da cidade de São Gonçalo do Amarante, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), onde o Porto está instalado. "Hoje, são 28 empresas em operação, e essas empresas, nos últimos cinco anos, investiram mais de R$ 30 bilhões. São hoje cerca de 51 mil empregos, sendo 13 mil diretos. Esse número de pessoas é maior que a população de São Gonçalo do Amarante. E o CIPP está localizado metade em São Gonçalo e a outra metade em Caucaia", comentou o diretor da Associação.

A apresentação do Cipp foi feita aos participantes do X Congresso Internacional de Energia Renovável e Consumo Responsável, que foi incluída dentro da programação da 10ª edição da All About Energy, a maior feira de energias renováveis da América Latina, no Terminal Marítimo de Passageiros de Fortaleza. "O objetivo é mostrar para os empreendedores que participam do evento o Pecém como uma nova ordem logística do Ceará. Esse é o foco principal. Tecemos sobre os desafios e oportunidades que temos no Complexo Industrial e Portuário", disse.

Resultados

Ele apontou que vislumbra resultados cada vez melhores oriundos dos investimentos em negócios de logística na área portuária cearense. "A expectativa é de crescimento, principalmente com a divulgação de ampliação da ZPE e chegada de novas indústrias. Isso tem levado as empresas a fazer investimentos em equipamentos". Outros pontos positivos citados por Borges foram o Aeroporto Internacional Pinto Martins e a ampliação das operações no próprio Pecém.

"Estamos com o hub no Aeroporto, e estamos caminhando para também ter um hub marítimo. Com a chegada da Transnordestina, vamos ter no Porto do Pecém terminais multimodais, com ferrovia, rodovia e aérea. As estratégias e desenvolvimentos caminham nessa direção, para que esses modais integrados favoreçam a logística e reduzam o custo Brasil", opinou. "Nosso Estado precisa avançar em algumas áreas, mas existe um planejamento que leva os empresários locais a fazerem investimentos. E tudo isso, caso o Porto de Roterdã esteja participando junto com a Ceará Portos na condução do Complexo, vai alavancar bastante os negócios na região", disse.

Fonte: Diário do Nordeste